Jogos Tradicionais 

criado por Gabriel Gonçalves Freire

Colaboradores

Daniel Guerrini

BOLA QUEIMADA

  A Bola Queimada é uma das manifestações culturais de jogos mais conhecidas no mundo. Quem não se lembra das aulas de Educação Física e das disputas entre os estudantes nesse jogo? É um jogo que aos poucos deixou de ser vivenciado nas ruas para ficar, quase que exclusivo, nas escolas. 
   

    No Brasil, o jogo também é conhecido como “Caçador”, “Baleado”, “Mata-Mata”, “Queima”, “Mata-Soldado”, “Cemitério”, entre outras nomenclaturas. A variedade de nomes revela como o jogo é ressignificado nas regiões brasileiras. 

 

 

Possível Origem

 

   Responder qual é a origem dos jogos tradicionais não têm sido tarefa fácil entre os pesquisadores dessa temática. Por se tratar de manifestações culturais antigas, os jogos, carregam a falta de registros sobre suas práticas em épocas atrás, inviabilizando a certeza em apresentar quais são os criadores, os contextos e as datas. Nesse sentido, a bola queimada também sofre com a falta desses registros.


  Porém, existem versões sobre as possíveis origens de alguns jogos, entre eles, a respeito da bola queimada. De acordo com Santos (2012), a versão mais aceita a respeito da origem desse jogo refere-se ao treinamento do exército da Papônia, localizada antigamente ao norte da Europa Meridional, governado pelo rei Papus. Em defesa do reino contra possíveis ataques de estrangeiros (chamados de bárbaros), o exército treinava arremessos de bolas de fogo.    

 

  Acredita-se que ao vencer os inimigos utilizando, entre outras táticas, arremessos de bolas de fogo, o povoado passou a comemorar a vitória encenando um teatro, no qual constava passagens sobre tais bolas. 


 

Organização do jogo: regras, formatos e objetivos 

 

    Mesmo que se considere a existência de várias regras e formatos do jogo, o objetivo de golpear a bola nos oponentes, até acertar todos, parece ser comum aos jogos possíveis da queimada. Assim, o arremesso da bola com o objetivo que esta toque no jogador adversário e caia no chão parece ser elemento comum independente da região em que se joga a queimada. 
 

  As regras de como se defender ao ataque; os locais e nomenclaturas (cemitério, reserva, entre outros) em que vão os “queimados”; números de vida de cada jogador; segmentos corporais que são imunes; formas de arremessar a bola, entre outras; são definidas a partir dos acordos estabelecidos entre o grupo de jogadores. 
 

    Assim, em determinada região ou grupo, pode-se considerar que somente a cabeça é imune aos ataques e, em outros locais, além da cabeça outros segmentos como os pés, as mãos etc. O mesmo vale para a variação de outras regras, por exemplo, o número de vida dos jogadores, em que pode ser apenas uma vida para os jogadores comuns e duas para os reservas (jogadores que iniciam o jogo na reserva/cemitério) ou uma, duas, três vidas para todos.   
 

  Tradicionalmente, a bola queimada é vivenciada entre duas equipes contendo o mesmo número de integrantes cada ou, se for o caso de uma apresentar maior número de jogadores, iguala-se em número de vidas. As próprias equipes escolhem que serão os jogadores que iniciarão na reserva/cemitério como capitães/líderes. 
 

    O campo mais conhecido do jogo queimada (segue abaixo) contendo quatro seções: a primeira é o cemitério da equipe 2, na qual o reserva dessa equipe inicia o jogo e os jogadores queimados/eliminados permanecerão; a segunda e terceira seção são os locais em que os jogadores iniciam a partida, do lado esquerdo a esquipe 1 e do direito a equipe 2; por fim, na quarta seção, fica o cemitério da equipe 1, em que seu reserva inicia o jogo e os demais jogadores queimado/eliminados ficarão. 

 

 

 

 

 

 

 


 

   

   

   Independentemente das variações que existem do jogo bola queimada, ressalta-se que, de modo geral, a partida acaba quanto toda uma equipe é queimada/eliminada pela outra.

    Em variação do jogo tradicional, na bola queimada lateral, os jogadores eliminados podem ficar nas laterais próximas ao campo adversário. Isso porque, o cemitério também ficará nas laterias e não só ao fundo dos campos (segue abaixo). A dinâmica muda, porém, continua valendo o término da partida a partir da eliminação do último adversário. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  Santos (2012) apresenta algumas variações possíveis conhecidas da queimada:

BOLA QUEIMADA 4 CAMPOS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

BOLA QUEIMADA 4 CAMPOS (VARIAÇÃO)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

BOLA QUEIMADA 3 CAMPOS


 

 

 

 

BOLA QUEIMADA GIGANTE

 

 

 

BOLA QUEIMADA DIAGONAL

 

 

BOLA QUEIMADA CÍRCULO

 

BOLA QUEIMADA INVERTIDA

 

   

   

    É preciso que os jogadores vivenciem outros tipos de bola queimada para aumentar seu conhecimento sobre possíveis variações. Além disso, incentiva-se momentos nos quais eles criam novas formas de jogar, com regras e objetivos próprios.   

 

 

REFERÊNCIAS:

 

SANTOS, Gisele F. de L. Jogos Tradicionais e a Educação Física. Londrina: EDUEL, 2012.

Nessa variação, o jogador atingido vai para a sua reserva e o jogador da reserva vaia para o campo em que o outro saiu (SANTOS, 2012, p. 81). Verifica-se que esse jogo não terá fim, a menos que os jogadores decidam mudar ou criar algumas regras. 

Nessa variação [...] o jogador golpeado pela bola passa a fazer parte do campo da equipe que o acertou (SANTOS, 2012, p. 81). Acaba a partida quando uma equipe conseguir capturar todos os jogadores da outra. 

Na forma de jogar com três campos, normalmente, é jogado com três equipes e são utilizados dois jogadores de cada time na reserva do fundo e da lateral. Conforme atingido, o jogador vai ocupando as laterais ou trocando de lugar com o jogador da reserva, ou , ainda, pode passar a fazer parte da equipe que o acertou, sendo assim, capturado (SANTOS, 2012, p. 81). 

Na queima gigante, todos os jogadores ficam dentro do campo (apenas um campo retangular) enquanto um fica fora deste para arremessar. Quem for atingido sai do jogo. Se alguém agarrar a bola sem deixar cair no chão, faz com que todos os jogadores que estão fora voltem ao campo, para continuar no jogo. Inclusive o jogador que está "queimando" pode facilitar o lançamento da bola para ser agarrada e salvar as vidas, lançando-a para cima e favorecendo que seja agarrada. Essa variação não tem a intenção de excluir e de apontar vencedores, já que todos os jogadores voltam ao jogo. Pode-se ir aumentando o número de "queimadores", utilizando uma ou mais bolas (SANTOS, 2012, p. 83). 

O jogo no campo em diagonal acontece com duas equipes e o jogador que vai arremessar ou passar a bola quando está na reserva só pode fazê-lo se estiver posicionando em algum dos três cantos do campo adversário. Jogadores do campo e da reserva podem "queimar" (SANTOS, 2012, p. 83). 

Para realizar o jogo da Bola Queimada em círculo, é aconselhável que o campo seja riscado com o uso de um giz amarrado em um barbante (o mesmo princípio de um compasso). Se o jogador for atingido, passa a fazer parte do time que realizou a jogada. Todas as equipes são liberadas para golpear a bola nas demais. Nessa variação hão há um jogador nas reservas, apenas dentro dos campos (SANTOS, 2012, p. 82). 

Na queimada invertida temos a mesma configuração que a queima gigante, contudo, o jogo começa com um jogador dentro do campo e os demais ficam ao redor da quadra (fora do campo). O objetivo é atingir o jogador que está dentro do campo para ter o direito de entrar na quadra. Aos poucos, o lado de fora do campo vai se esvaziando, enquanto dentro vai ficando com um número crescente de jogadores (SANTOS, 2012, p. 83).