Jogos Tradicionais 

criado por Gabriel Gonçalves Freire

Colaboradores

Daniel Guerrini

BUGALHA

O jogo Bugalha, provavelmente, é um dos mais antigos da humanidade, realizado de diferentes formas e regiões do Brasil, além de muito conhecido em outros países. Como se trata de um jogo tradicional tem como uma de suas características a diversificação em seu nome. Assim, é conhecido também como “Jogos dos Ossinhos”, “Cinco Marias”, “Jogo do Saquinho”, “Jogo das Pedrinhas”, “Onente”, entre outros (SANTOS, 2012).

Trata-se de um jogo de fases, em que os jogadores as passam na medida em que suas habilidades no manuseio das pedrinhas são confrontadas.

 

Possível Origem

 

   A origem do jogo Bugalha, seu criador, ano e lugar são informações incertas, pois, como manifestação cultural antiga, poucos registros se têm de sua prática em seu início.

   A Grécia, berço da civilização antiga, foi uma nação que influenciou significativamente as formas de conceber o mundo no ocidente. Outrora, foi responsável pela criação e disseminação no mundo todo de várias manifestações culturais, como obras artísticas, literárias entre outras.

 

    Entre algumas manifestações culturais vivenciadas até hoje, a Bugalha pode ter sido elaborada e disseminada pelos gregos. Isso porque, em uma versão sobre a sua possível origem, consta que foi na Grécia antiga, a partir do jogo Astrálogo, que as primeiras práticas da Bugalha se iniciaram (SANTOS, 2012).

 

   Acredita-se que os primeiros jogos foram realizados com ossos de animais pequenos. Depois, aos poucos, a utilização dos ossos cedeu lugar as pedras e saquinhos de arroz, alcançando outros países do continente europeu. O nome Bugalha refere-se à noz de galha com tubérculos arredondados (SANTOS, 2012).

 

Organização do jogo: regras, formatos e objetivos

   O formato da Bugalha é praticamente o mesmo no que diz respeito ao número de pedras ou saquinhos utilizados, totalizando cinco, e caracterizado como um jogo de fases. Entretanto, as regras e a dinâmica do jogo variam conforme os jogadores e o contexto em que é vivenciado. Nesse sentido, os objetivos também podem variar, porém, tradicionalmente o objetivo principal é alcançar e completar a última fase (manobra) do jogo.

 

   Reconhecendo que o jogo apresenta formas, sentidos e significados próprios a partir dos grupos sociais que os pratica, identificam-se algumas fases que podem variar tanto nas nomenclaturas, quanto em suas sequências. Destaca-se abaixo algumas fases possíveis:

1- O jogo inicia com aquele que lançar os saquinhos para cima e ficar com o maior número deles na parte contrária a palma da mão; 

 

 

 

 

 

 

 

 

2- Lança-se um saquinho para cima e pega-se os outros saquinhos, um de cada vez sem deixar cair (Fase 1). Os saquinhos capturados são colocados ao lado no chão. A ação de lançar um saquinho para cima antes de pegar os demais  é realizada nas outras fases;

 

 

 

 

 

3- Pega-se dois por vez sem deixa-los cair (Fase 2);

 

 

 

 

 

 

 

 

4- Pega-se três de uma só vez e depois aquele que restou (Fase 3);

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

5- Pega-se os quatro de uma só vez (Fase 4);

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

6- BICO DE PATO: Junção das duas mãos tanto para pegar os saquinhos com os dois dedos indicadores quanto para lança-los (Fase 5);

 

 

 

 

 

 

7- MÃO CHEIA: Parecido com a Fase 1, porém segura-se na mão os saquinhos capturados;

 

 

 

 

8- CHUVINHA: Parecida com a Fase 1, entretanto lança-se todos os saquinhos capturados para cima antes de pegar o próximo (Fase 6);

 

 

 

 

9- ARANHA: Apoia a ponta dos dedos da mão no chão e deixa a palma afastada da superfície para fazer os saquinhos, um de cada vez, passar entre os dedos (Fase 7);

 

 

10- ARANHA MORTA: Mesma dinâmica da Fase 7 (Aranha), porém a palma da mão é encostada a superfície (Fase 8);

 

 

 

 

 

 

 

 

 

11- GOLZINHO: Apoia a ponta do dedo indicador e polegar no chão fazendo um arco por onde deve passar os saquinhos, um por ou dois por vez (Fase 9);

 

 

 

 

12- MURO BAIXO Forma-se com a mão um "muro" com a lateral de fora do dedo mindinho apoiada ao chão, lança as pedrinhas cruzando os braços e retorna-as, uma de cada vez, por cima do muro (Fase 10).

 

 

 

13- MURO ALTO: Forma-se com a mão um "muro" com a lateral de fora do dedo mindinho apoiada ao chão, lança as pedrinhas cruzando os braços e retorna-as, uma de cada vez, por cima do muro (Fase 11).

 

 

14- PULA CERCA E RAPA FORA: Deixa quatro bugalhas no chão em linha reta, separada; lança a que sobre para o alto e com a mão encoste nos espaços entre as bugalhas e pegue a bugalha lançada; finalizado o percurso, lance a bugalha para o alto novamente, rape todas as demais bugalhas de uma vez só e segure aquela em queda (Fase 12). 

 

   

 

 

 

 

   Caso os jogadores decidam jogar com bugalhas feitas de tecidos, alguns materiais são necessários, tais como:

 

 

 

 

 

 

     

 

 

  A elaboração das bugalhas, assim como a aprendizagem das fases já conhecidas e a criação de novas, é elemento importante para que as cinco marias continuem carregando os sentidos e significados de cada grupo social e dos jogadores em suas subjetividades. 

 

 

 

 

REFERÊNCIAS:

SANTOS, Gisele F. de L. Jogos Tradicionais e a Educação Física. Londrina: EDUEL, 2012.

LINHA

TESOURA

ARROZ CRU

TECIDO