Jogos Tradicionais 

criado por Gabriel Gonçalves Freire

Colaboradores

Daniel Guerrini

GATO MIA

A cultura brasileira é rica em jogos de perseguição (que envolvem fuga e captura), sobretudo aqueles que os fugitivos se escondem e os perseguidores saem a caça, os chamados jogos de esconde-esconde. O Gato Mia é um jogo que envolve tais características de perseguição, fuga e esconder, porém, com suas especificidades.

    Com o passar dos  anos e a crescente produção na cultura da infância no campo do jogar, outras "atividades jogosas" têm chamado mais atenção da criançada, destacando-se aquelas em ambientes virtuais, os jogos eletrônicos. Nesse sentido, verifica-se que jogar gato mia é uma possibilidade das futuras gerações conhecerem outras formas de manifestação cultural, que outrora integravam mais o cotidiano das gerações passadas. 

Possível Origem

  Acredita-se que os jogos de perseguição, tradicionalmente conhecidos como "pega-pegas" e "esconde-esconde", além daqueles realizados em círculos ("Lenço Atrás, Pato Ganso" etc.), são os mais antigos da humanidade.

 

   Desde o período primitivo até a Grécia antiga, os jogos de perseguição integravam a cultura das pessoas, representando a realidade social e moral dos indivíduos, simbolizando suas crenças e ações cotidianas (SANTOS, 2012). 

   

     Por serem períodos de muitos anos atrás, os registros desses jogos (quando tinham) foram se perdendo, uma vez que a maioria deles eram transmitidos de forma oral das gerações mais velhas às mais novas. As informações históricas de qualquer jogo de perseguição são praticamente nulas. 

 

   Quando se busca compreender quem inventou o jogo gato mia, qual foi o local e a época enfrenta-se questionamentos sem respostas. Provavelmente, o jogo tenha surgido a partir de jogos antigos de esconder, em que a partir de observações dos gatos, criou-se uma variação com regras próprias. 

Organização do jogo: regras, formatos e objetivos

 

   Tradicionalmente o jogo  é organizado da seguinte forma: um espaço fechado, escuro e sem objetos perigosos (geralmente um quarto da casa); uma pessoa é escolhida para ser o "pegador" e as demais se espalham pelo espaço tentando se esconder, agachando, em pé, entre outras formas.  

 

   Se o espaço estiver totalmente escuro o perseguidor poderá buscar os fugitivos sem nada tampando seus olhos. Entretanto, se o espaço apresentar alguma luz que permita o reconhecimento dos jogadores, o perseguidor usará algum objeto para "tampar" sua visão, geralmente utiliza-se uma faixa.

    O objetivo do jogo consiste no reconhecimento de um fugitivo pelo jogador que estará perseguindo. Para isso, ao encontrar o fugitivo, o perseguidor deverá falar "Gato Mia" e, a pessoa capturada, imitará o gato miando: "Miaaauuu". Se o perseguidor adivinhar que é a pessoa que miou invertem-se os papéis no jogo, ou seja, quem estava fugindo vira o pegador e vice versa.

 

 

 

 

 

 

 

 

     Na maioria das vezes o jogo termina quando todos os jogadores assumiram ambos os papéis no jogo, perseguidor e fugitivo. Todavia, o término do jogo dependerá do acordo estabelecido entre os participantes, variando entre os contextos em que o gato mia é vivenciado. 

REFERÊNCIAS:

SANTOS, Gisele F. de L. Jogos Tradicionais e a Educação Física. Londrina: EDUEL, 2012.